Traduzir este Blog

Pesquisar no Blog

15 de set de 2007

Arnold Paul (Paole)

Arnould Paul,era um soldado do século XVIII,que para muitos na época,foi o responsável de um tremendo surto de vampirismo na Europa.O mito de Paul (Paole) foi abordado por muitos filósofos medievais,que estudavam profundamente o vampirismo!

Arnold Paul (ou Paole) foi assunto de um dos mais famosos casos de vampiro do século XVIII. Chegou em meio a uma onda presumível de ataques de vampiro que infernizaram a Europa central no fim do século XVII até meados do século seguinte. Esses casos de um modo geral, e o de Paul, em particular, foram a principal causa do reavivado interesse pelos vampiros na Inglaterra e na França no início do século XIX. Paul nasceu no início da década de 1700 em Medvegia, ao norte de Belgrado, numa área da Sérvia então pertencente ao Império Austríaco. Serviu no exército, no que era chamado de "Sérvia Turca", e na primavera de 1727 voltou para a sua cidade natal. Paul comprou diversos hectares de terra e se estabeleceu como agricultor. Foi assediado por uma jovem de uma fazenda vizinha, da qual ficou noivo. Paul era conhecido por ser uma pessoa honesta e de boa índole, sendo bem recebido pelo povo da cidade em seu retorno. Entretanto, notou que uma certa tristeza permeava sua personalidade.

Paul finalmente disse a sua noiva que seu problema era oriundo dos dias de guerra. Na Sérvia Turca, tinha sido visitado e atacado por um vampiro. No final, matou o vampiro seguindo-o até seu cemitério. Também comeu um pouco da terra do túmulo do vampiro e cuidou de seus ferimentos com sangue do vampiro para se livrar dos efeitos do ataque. Uma semana depois de ter contado sua história, Paul foi vítima de um acidente fatal, e foi enterrado em seguida.

Algumas pessoas após seu sepultamento, vieram à tona relatos da aparição de Paul. Quatro pessoas que tinham feito os relatos morreram e o pânico se espalhou pela comunidade. Seus líderes decidiram agir para amenizar o pânico, desenterrando o corpo para determinar se Paul era ou não um vampiro. O túmulo foi aberto no quarto dia após seu enterro. Dois cirurgiões militares estavam presentes quando a tampa do caixão foi removida. Encontraram um corpo que parecia ter sido recém-enterrado. O que parecia ser pele nova estava presente sob uma camada de pele morta e as unhas continuavam a crescer. O corpo foi perfurado e o sangue jorrou. Os presentes acharam que Paul era um vampiro. Seu corpo foi empalado, ouvindo-se um forte gemido. Foi decapitado e cremado. O caso teria terminado ali, mas não foi o que aconteceu. As quatro outras pessoas que tinham morrido foram tratadas da mesma forma para que não reaparecessem como vampiros.

Em 1731, na mesma área, cerca de 17 pessoas morreram, com sintomas de vampirismo num período de três meses. Os moradores não agiram prontamente, até que uma menina se queixou que um homem chamado Milo, que tinha falecido recentemente, a atacara no meio da noite. Notícias dessa segunda onda de vampirismo chegaram à Viena e o imperador austríaco instaurou um inquérito a ser conduzido pelo cirurgião do Regimento de Campo Johannes Fluckinger. Nomeado em 12 de dezembro, Fluckinger se encaminhou para Medgevia e começou a colher informações do que tinha ocorrido. O corpo de Milo foi desenterrado, descobrindo-se que estava num estado similar ao de Arnold Paul. O corpo foi então empalado e cremado. Como é possível que o vampirismo, erradicado em 1727, tivesse voltado? Foi determinado que Paul tinha "vampirizado" diversas vacas das quais os mortos mais recentes tinham se alimentado. Sob as ordens de Fluckinger, os moradores passaram a desenterrar todos que tinham morrido nos meses recentes. Foram desenterrados quarenta, dezessete dos quais estavam num estado de preservação igual ao do corpo de Paul. Foram todos empalados e cremados.

Fluckinger preparou um relatório completo de suas atividades e apresentou-o ao imperador no início de 1732. Seu relatório foi publicado a seguir e tornou-se um best-seller. Em março de 1932, relatos de Paul e dos vampiros de Medgevia circularam nos periódicos da França e da Inglaterra. Em virtude da natureza bem documentada do caso, tornou-se o foco de estudos e reflexões futuras sobre vampiros, e Arnol Paul tornou-se o mais famoso vampiro da época. O caso de Paul foi muito influente nas conclusões a que chegaram tanto Dom Augustim Calmet e Giuseppe Davanzati, dois estudiosos católicos que escreveram livros sobre o vampirismo em meados daquele século.

5 comentários:

Shana disse...

Achei superinteressante o seu blog e esta história do vampiro sérvio, Arnold Paole. Nunca tinha ouvido falar sobre ele. Parabéns! Temos aqui uma bela fonte de pesquisa.

Eduardo Andrade disse...

Estou escrevendo um conto sobre vampiros, será que vc poderia me enviar fontes históricas como essas para minha pesquisa?

Anônimo disse...

Muito bom,estava mesmo a procura da historia desse vampiro e encomtrei o que procurava,pq vc nao fala um pouco sobre Elizabeth Bathory tbm mto conhecida

Anônimo disse...

Achei muito interessante... Mas eles existem mesmo ou não passa de ficção??

Samira Carolo disse...

Nossa mt legal esse blog...Achei mt interessante ...E era exatamente oq eu estava procurando ...eu estava tentando achar isso uma história de vampiro verdadeira e baseada em fatos reais como esse ....Tanto que agora que vi este blog vou começar a fazer umas pesquisas sobre vampiros se são reais ou é só ficção (imaginação nossa)
Se vc quiser me ajudar ...Sei lá me responder ou me mandar mais histórias como essa mas baseada em fatos reais...achei super interessante e vou aprofundar minha pesquisa....Pra falar a verdade eu achei esse blog sem querer só sei q fui mexendo e quando ve ele abriu ... Mt bom o blog... Ótimo ...

Msn :

Vox Vampyrica

 
© 2007/2008 Todos Direitos Reservados Vampire Tools
© 2007 Template feito por Templates para Você